fbpx

Siga-nos: facebook-americancor instagram-americancor | Horário de Atendimento: 24h

Telefone : +55 (21) 3296-2900 | 3296-2902
  E-mail : contato@americancorhospital.com.br

Todos os posts com a tag: Saúde

mulher assoando o nariz com um lenço de papel

Gripe e covid-19: você sabe a diferença entre elas?

Diante dos surtos de gripe no país, separamos um material para você entender melhor a diferença com a covid-19. Acompanhe!


Atualmente, com a pandemia mundial provocada pela covid-19 que acometeu mais de 23 milhões de brasileiros, segundo o Ministério da Saúde, é comum confundirmos seus sintomas com os da gripe (Influenza). Por isso, com a finalidade de esclarecer algumas dúvidas sobre essas doenças, o AmericanCor separou para você algumas dicas para ficar atento nesse período de surtos de casos de gripe. Vamos conferir?

GRIPE: O QUE É

Com os surtos de gripe no país, há dúvidas sobre o que é essa doença?  E quais são seus sintomas? Primeiramente, a gripe é causada pelo vírus influenza, sendo uma doença respiratória. Dessa forma, seus sintomas mais comuns são:

-Febre alta;

-Cansaço;

-Vermelhidão no rosto;

-Dores no corpo;

-Secreções nasais e espirros.

Diante disso, ela aparece de forma repentina com os sintomas mais fortes e logo vai diminuindo, após o diagnóstico e o tratamento de um profissional da saúde. Lembrando que há quatro tipos de gripe (Influenza): A, B, C e D.

Assim, o tipo mais comum é o A, responsável pela H1N1. Por isso, as vacinas para a gripe estão constantemente sendo atualizadas diante das mutações e variações do vírus. Recentemente, vimos os surtos provocados pela H3N2.

 

COVID-19: CASOS LEVE, MODERADO, GRAVE E CRÍTICO

Causada pelo coronavírus SARS-CoV-2, a covid-19 é uma infecção respiratória aguda muito grave. No Brasil, provocou mais de 600 mil mortes, segundo o Ministério da Saúde desde 2019. Assim, entre os sintomas leves mais comuns estão:

-Tosse;

-Dor de garganta ou coriza;

-Diarreia;

-Dor abdominal e muscular;

-Febre;

-Calafrios;

-Cansaço.

Logo, há os sintomas moderados que além dos leves há tosse e febre persistentes diárias. Enquanto os sintomas graves caracterizam-se pela Síndrome Respiratória Aguda Grave, apresentando desconforto respiratório, pressão no tórax e saturação de oxigênio (menor que 95%). Além disso, se o caso piora, é considerado um caso crítico, tendo os sintomas de:

-Sepse;

-Síndrome do desconforto respiratório agudo;

-Insuficiência respiratória grave;

-Disfunção de múltiplos órgãos;

-Pneumonia grave.

Nesses casos, surge a necessidade de suporte respiratório e internações em unidades de terapia intensiva. A partir disso, é importante ter em conta as variantes de Covid-19, sendo a Ômicron mais resistente às vacinas, espalhando-se mais rapidamente.

 

GRIPE E COVID-19: DIFERENÇAS

Cientificamente, para diferenciar a gripe da covid-19 é necessário realizar um teste, pois seus sintomas são muito semelhantes, como vimos acima. No entanto, o início dos sintomas ocorre de forma diferente.

Por exemplo, com a gripe, geralmente a pessoa vai dormir com a garganta arranhando e já acorda doente, com febre, cansaço e mal-estar. Tudo de uma vez, sendo mais grave que o resfriado.

Por outro lado, a covid-19 aparece de forma mais lenta, podendo começar com dor de garganta e indisposição. Logo, piorando com o tempo e se somando a outros sintomas. No entanto, para ter certeza se é uma ou outra é preciso fazer o teste.

 

PREVENIR É O MELHOR REMÉDIO!

Assim, para prevenir o melhor é vacinar-se, tanto para gripe quanto para covid-19 há vacinas disponíveis em todos os postos de saúde e hospitais. Além disso, use álcool em gel (70%), máscara de proteção facial e mantenha o distanciamento em lugares com aglomeração.

médico segurando itens de higiene pessoal (máscara e álcool em gel)para proteção contra a covid-19

Previna-se, vacine-se e utilize todas as medidas de prevenção sanitárias recomendadas pelas instituições de saúde. Aqui, no Blog do AmericanCor, você encontra esses e outros conteúdos relevantes para o seu bem-estar.

 

Gostou do nosso conteúdo? Então continue nos acompanhando.

 

Leia Mais
Pessoa branca mediando a glicemia, prevenindo-se da pré-diabetes

Pré-diabetes: saiba mais sobre esse estágio tão comum entre os brasileiros

Com sintomas silenciosos, mais de 15 milhões de brasileiros são pré-diabéticos. Confira mais informações a seguir!


Você já ouviu falar do pré-diabetes? Ele é um estágio que precede o diabetes tipo 2, muito comum entre os brasileiros. Atualmente, há mais de 15 milhões de pessoas pré-diabéticas no país, segundo a Federação Internacional do Diabetes (IDF). Pensando nisso, separamos esse material para você entender mais sobre o pré-diabetes, buscando a prevenção desta doença. Acompanhe!

Pré-diabetes: o que é

Primeiramente, é importante sabermos o que é o diabetes, considerado uma doença crônica provocada pelo aumento da glicose (níveis de açúcar no sangue) no organismo, o qual possui uma dificuldade em processar essa substância. Sendo assim, há uma quantidade de glicose acumulada no sangue, sendo denominada glicemia, caracterizando o diabetes.

Diante disso, o pré-diabetes é quando o metabolismo dos hidratos de carbono é alterado, aumentando os níveis de glicose no sangue acima do normal, glicemia em jejum entre 100 e 125 mg/dl, mas não ao ponto de ter diabetes. Dessa forma, é considerada um estágio intermediário entre um organismo com padrões normais de glicose e um com diabetes tipo 2.

Em outras palavras, o pré-diabetes é o alerta do seu corpo te dizendo que suas chances de desenvolver diabetes são muito altas!

Principais causas

Os fatores mais comuns que contribuem para o estágio de pré-diabetes são:

-Herança genética e tendência familiar;

-Aumento de peso;

-Alimentação hipercalórica;

-Sedentarismo.

Dentre esses, o mais comum é o ganho de peso, pois ele contribui para que o pâncreas produza mais insulina com o objetivo de tentar reduzir e controlar os níveis de açúcar.

Doença silenciosa

Em primeiro lugar, o pré-diabetes é um estágio silencioso, pois não possui sintomas. No entanto, em alguns casos, as pessoas podem desenvolver a acantose, isto é, o escurecimento das dobras da pele nas regiões do pescoço, axilas e virilhas.

Por isso, essa doença só é possível identificar se você medir a quantidade de glicemia do seu organismo, considerando que o resultado precisa estar entre 100 e 125 mg/dl.

Mãos brancas medindo a quantidade de glicemia, prevenindo a pré-diabetes

Cuidar da saúde é a única prevenção!

Portanto, recomenda-se que a partir dos 45 anos de idade as pessoas realizem os testes de glicemia regularmente. Assim, será possível identificar se você é uma pessoa pré-diabética ou não. Atualmente, segundo um levantamento do Ibope, 42% dos brasileiros desconhece o pré-diabetes.

Logo, surge a importância da conscientização sobre este tema tão urgente e presente na vida dos brasileiros. O AmericanCor se preocupa com a saúde e o bem-estar das pessoas, por isso cultive hábitos saudáveis e realize exames de forma regular. Nosso hospital conta com diversos convênios, marque uma consulta! Previna-se!

 

Gostou do nosso conteúdo? Então continue nos acompanhando.

Leia Mais
Prótese mamária

Reconstituição e prótese mamária: iniciativas que resgatam a autoestima das mulheres

Após passar por um período delicado e vencer o câncer de mama, diversas mulheres buscam alternativas para resgatar a sua autoestima. Confira!


Neste Outubro Rosa observou-se uma série de iniciativas de conscientização e prevenção ao câncer de mama, ressaltando a importância do cuidado à saúde da mulher, considerando que ele é a principal causa de morte feminina no país, acometendo mais de 60 mil mulheres por ano, segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca). Em contrapartida, as mulheres que vivenciaram essa situação, acabaram perdendo uma ou ambas as mama(s). Assim, uma alternativa que tem fortalecido o aumento da sua autoestima é a reconstituição ou prótese mamária. Vamos saber mais?

Reconstituição mamária: um direito garantido por lei

Desde 1998, a reconstituição mamária é um direito para todas as mulheres, garantido pela Lei nº 9.656/1998, a qual determina em seu artigo 10-A o direito do: “serviço de cirurgia plástica reconstrutiva de mama, utilizando-se de todos os meios e técnicas necessárias, para o tratamento de mutilação decorrente de utilização de técnica de tratamento de câncer”.

Dessa forma, a partir daquele ano determina a cobertura obrigatória mínima de todos os planos de saúde do Brasil. No entanto, somente a partir de 2013, a reconstituição mamária torna-se um dos serviços gratuitos do Sistema Único de Saúde (SUS), por meio da Lei nº 12.802/2013.

A partir disso, milhares de mulheres buscam essa alternativa para lidar com a situação pós-recuperatória, devolvendo o volume original de sua mama, contribuindo assim para o aumento da sua autoestima. Logo, sendo um dos procedimentos mais seguros e eficientes da atualidade.

Próteses mamárias: silicone e artesanal

Além da reconstituição mamária, outra alternativa requisitada pelas brasileiras têm sido às próteses, tanto a de silicone quanto a artesanal. A primeira corresponde a uma cirurgia, onde é colocada no lugar da mama afetada uma prótese de silicone, dando a sensação da sua mama original.

Por outro lado, diversas mulheres têm optado pela segunda alternativa, sendo a de forma artesanal. Devido aos inúmeros exames médicos e procedimentos requisitados para colocar a prótese de silicone, em alguns casos, como obesidade, anorexia e problemas circulatórios podem exigir mais tempo para realizar esta cirurgia.

Com isso, a prótese artesanal é a opção mais barata e natural, podendo ser composta de algodão ou retalhos de diferentes formatos, sendo inserida dentro do sutiã, fácil de usar e lavar.

Outubro Rosa: a prevenção continua

Independentemente de qual opção escolher para substituir a mama afetada, todas contribuem de alguma forma para fortalecer a recuperação dessas mulheres. Considerando que o estado de câncer afeta a vida em todos os sentidos. Por isso, a importância da prevenção com os exames regulares de toque e mamografia.

Mulheres na luta pela prevenção do cancêr de mama, com as mãos unidas

Além disso, ter hábitos saudáveis pode evitar a doença em aproximadamente 30%. Por isso, cuide da sua saúde, realize exames regularmente e opte por uma vida saudável. No AmericanCor você encontra diversos convênios, agende uma consulta!

 

Gostou do nosso conteúdo? Então continue nos acompanhando.

Leia Mais
Ilustração sobre o cuidado ao coração

5 dicas de como cuidar do seu coração

Separe um tempo para cuidar da sua saúde, o coração é um dos principais músculos do seu corpo. Acompanhe as nossas dicas!


Você sabia que o coração é um dos órgãos mais importantes do corpo? Ele é responsável por fornecer alimento e oxigênio para as nossas células. Por isso, cuidar desse órgão é fundamental, tanto que neste Dia Mundial do Coração, 29 de setembro, busca-se conscientizar a população sobre o cuidado com o coração, informando sobre a prevenção de doenças cardiovasculares, uma das maiores causas de morte no país, sendo mais de 1.100 mortes por dia, segundo a Sociedade Brasileira de Cardiologia. Dessa forma, o AmericanCor separou um conjunto de dicas para te ajudar a cuidar do seu coração. Confira!

1-Alimente-se de forma saudável e equilibrada

A escolha dos alimentos é essencial para garantir uma alimentação mais saudável e uma melhor qualidade de vida. Pensando nisso, evite consumir alimentos processados e gordurosos, pois eles contribuem para a obstrução das artérias e comprometem o fluxo sanguíneo. Além disso, modere o uso de sal, pois ele pode aumentar a pressão arterial, fazendo com que seu coração bata com mais força para conseguir manter o sangue circulando pelo seu corpo.

Portanto, opte por uma dieta balanceada e saudável, por meio da escolha dos seguintes alimentos: vegetais, legumes, frutas, grãos integrais, proteínas vegetais e carnes magras. Assim, com uma alimentação saudável você nutre ainda mais seu corpo e ainda cuida do seu coração.

2-Evite fumar e consumir bebidas alcóolicas

O consumo do tabaco, além de provocar câncer no pulmão, contribui para o estreitamento das artérias e elevação da pressão arterial, forçando o coração a gerar níveis maiores de oxigênio para o organismo. Sendo assim, um dos maiores inimigos do coração. Portanto, evitar seu consumo é cuidar da sua saúde.

O álcool é outro agente que auxilia na causa de doenças como hepatite, cirrose hepática, câncer no esôfago e ainda nas cardiovasculares, como infarto e insuficiência cardíaca. Tal substância causa danos irreversíveis às células do coração. O etanol prejudica as células musculares do coração, podendo ocasionar no fechamento das artérias e desenvolver arritmia. Por isso, recomenda-se evitar o seu consumo.

3-Pratique atividades físicas regularmente

Sabe-se que a prática de atividades físicas auxilia na prevenção de diversas doenças, inclusive as cardiovasculares. Além de promover uma melhor qualidade de vida, garante resultados positivos para seu corpo e sua mente.

Dessa forma, indica-se que ao menos três vezes durante a semana você pratique alguma atividade física, como: caminhada, ciclismo, corrida, natação, dança etc. Mas não se esqueça de procurar uma orientação médica para iniciar a atividade física mais adequada para você.

4-Evite situações constantes de estresse

As situações constantes de estresse provocam um aumento na sua pressão arterial, podendo ocasionar em doenças irreversíveis, além de outras reações no seu corpo. Atualmente, o estresse é considerado o principal fator de risco de várias doenças, de forma direta e indiretamente. Por exemplo, estimula o consumo excessivo de tabaco e álcool, os quais provocam o surgimento de outras doenças sérias.

Sendo assim, evite situações estressantes, por menores que sejam, preocupe-se com sua saúde e qualidade de vida.

5-Cuide do seu coração: realize acompanhamento médico

Há doenças cardiovasculares que são silenciosas e somente com um acompanhamento médico é possível diagnosticá-las, por isso é importante realizar exames preventivos, por meio de um acompanhamento periódico. Você pode solicitar exames sanguíneos para verificar as taxas de colesterol, nível de glicose, de triglicérides e de vitaminas.

Ilustração sobre o cuidado ao coração
Não dê bobeira, cuide de você!

No AmericanCor contamos com os melhores profissionais de cardiologia e de outras áreas. Priorize sua saúde, realize exames de forma regular para prevenir, conheça os nossos convênios e agende uma consulta!

 

Gostou do nosso conteúdo? Então continue nos acompanhando.

Leia Mais
Uma pessoa dando a mão para outra, a qual está com esclerose múltipla

Esclerose Múltipla: entenda a importância do diagnóstico precoce

No Dia Nacional de Conscientização sobre Esclerose Múltipla, dia 30 de agosto, é importante conhecermos e nos prevenirmos sobre esta doença, sendo a mais comum entre os jovens


A data de 30 de agosto é marcada pelo Dia Nacional de Conscientização sobre a Esclerose Múltipla, instituída pela Lei nº 11.303/2006, com a finalidade de visibilizar e informar sobre uma doença que compromete pessoas entre 20 e 50 anos de idade. No Brasil, estima-se que 5,01 a 20 pessoas a cada 100 mil habitantes convivam com a Esclerose Múltipla (EM), segundo o Atlas da Esclerose Múltipla de 2013. E ainda muita gente desconhece a doença e seus sintomas. Pensando nisso, vamos conhecer a importância do diagnóstico precoce e do tratamento adequado da EM? Confira!

Foto da campanha do Dia Nacional de Conscientização sobre a Esclerose Múltipla, uma mão segurando uma fita laranja.
Esclerose Múltipla (EM): significado e origem

A Esclerose Múltipla (EM) nada mais é que uma doença neurológica, crônica e autoimune, sendo muito comum entre jovens do mundo, acometendo pessoas entre 20 e 50 anos de idade. Dentre esse grupo, as mulheres são as mais afetadas pela doença. No Brasil, estima-se que há mais de 35 mil pessoas convivam com a EM, e no mundo mais de 3 milhões.

A doença surgiu no século XIX, no ano de 1868, descrita pelo médico francês Jean-Martin Charcot. E a denominação do termo “esclerose” apareceu devido aos primeiros médicos terem identificado cicatrizes no sistema nervoso central de seus pacientes, ao examinar após sua morte. A palavra “esclerose” origina-se do grego “sklérosis” que significa “cicatriz”. Por isso, o nome da doença “esclerose múltiplas”, isto é, “cicatrizes múltiplas”.

Tipos de EM

Ao longo dos anos, identificaram-se diversos tipos de Esclerose Múltipla, confira:

  • Esclerose Múltipla Remitente Recorrente (EMRR): ocorre por meio da evolução de surtos, e seus sintomas de forma súbita. Esta é um dos tipos mais recorrentes de EM;
  • Esclerose Múltipla Primária Progressiva (EMPP): evolui sem surtos, no entanto, com sintomas progressivos, sendo acumulados ao longo do tempo;
  • Esclerose Múltipla Secundária Progressiva (EMSP): evolui a partir de sintomas lentos e progressivos em pessoas que desenvolvem a EMRR.
Sintomas da EM

A EM provoca lesões no sistema nervoso central (cérebro, nervos ópticos e medula espinal), tendo sintomas transitórios e definitivos. A EM é provocada por uma reação autoimune direcionada à mielina (camada de gordura que envolve todas as nossas células nervosas). As doenças autoimunes são aquelas em que o sistema de defesa resolve atacar a ela mesma, ao invés de um agente externo, como ocorre no caso de vírus ou bactéria.

Assim, com a perda da mielina os impulsos nervosos ficam mais lentos, ocasionando dificuldade da pessoa em realizar diversas ações, por exemplo:

  • Perda de força em um ou mais membros;
  • Perda de sensibilidade ou formigamentos;
  • Falta de coordenação, ocasionando dificuldade para caminhar;
  • Dificuldade para engolir, ou articular a fala;
  • Alterações sensoriais;
  • Constantes surtos;
  • Disfunção sexual;
  • Perda ou dificuldade visual;
  • Disfunção urinária e intestinal;
  • Alterações emocionais e cognitivas, podendo ocasionar depressão.

Os sintomas acontecem aos poucos, pois nas primeiras vezes o organismo consegue interromper este dano, reduzindo a inflamação e produzindo uma nova capa de mielina. No entanto, se não for tratada a tempo, a doença pode deixar sequelas e cicatrizes permanentes. Outro ponto importante, a causa da EM ainda é desconhecida, estudos demonstraram que uma reação anormal do sistema imunológico pode desencadear um processo que danifica o sistema nervoso central.

Tratamento: medicações e acompanhamento médico

A partir das constantes pesquisas em pessoas com EM foi possível identificar diversas alterações que ocorre no processo autoimune. Sendo assim, foram desenvolvidos diversos medicamentos para freá-la. No entanto, ainda se desconhece o motivo do porquê o sistema imunológico resolve reconhecer a mielina como sua inimiga e consequentemente atacá-la. Por isso, ainda não existe cura para a EM.

Por outro lado, há alguns tratamentos por meio de medicamentos que buscam reduzir a atividade inflamatória e as ocorrências de surtos ao longo dos anos. Assim, o tratamento é muito importante para garantir a qualidade de vida dos pacientes. Por isso, tanto o tratamento como os medicamentos devem ser recomendados e acompanhados por profissionais especializados, como o médico neurologista.

Para prevenir, realize exames e consultas frequentes

Atualmente, o diagnóstico da EM é realizado por meio de exames de sangue, líquor e ressonância magnética com a finalidade de identificar os sintomas da doença de forma precoce.

Na AmericanCor contamos com os melhores profissionais da área neurológica, compreendendo que a prevenção é o único caminho para evitar determinadas doenças, como a EM. Por isso, cuide de você e de quem você ama, previna-se. Conheça os convênios que atendemos e agende a sua consulta!

 

Gostou do nosso conteúdo? Então continue nos acompanhando.

Leia Mais